Páginas

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Um belo dia resolvi mudar…

Ha quase um ano escrevi sobre a minha rehab capilar, lembra?

Pois é, agora finalmente posso dizer (e mostrar) que libertei os meus cabelos!

Desde que eu me entendo por gente, eu sempre odiei o meu cabelo, porque ele não era nem cacheado nem liso. Era um ninho, sem forma, grosso, cheio e sempre embarassado.  Quando eu era pequeninha minha prima que o penteava, e fazia os cachinhos com creme para eu ir a escola. Mas conforme fui crescendo eu não conseguia cuidar do bebelo, e muito menos domá-lo, aí virava aquela farofa.

manu35 anos de idade e muito estilo. Ahahaha!

Quando eu já era mais grandinha e comecei a me virar sozinha com as madeixas, elas estavam sempre ou presas ou com um quilo de creme, que eu jurava, ajudava a diminuir o volume.

Me lembro de uma foto em que estava com o cabelo solto, depois de um dia de brincadeira. Imagina, o cabelo tava no melhor estilo blackpower. E meu irmão FDP levou a maldita pra escola, e mostoru pra todos os meus colegas. Resultado: por um bom tempo fui a protagonista das piadinhas de “nega do cabelo duro”… e a minha vergonha nunca foi tão grande.

Escova, chapinha, relaxamento, nada dava jeito na juba, então aos 15 anos eu conheci o alisamento químico (escova definitiva, etc). E foi um sonho ver meu cabelo solto, jogá-lo pra lá e pra cá… me sentia num comercial de shampoo. A Diva!!

Por quase dez anos foi tudo lindo e maravilhoso. Mas sabe quando você não se sente mais você?? Pois é, eu comecei a não me sentir eu mesma, com aquele cabelão, com os retoques, com o cheiro horrível do produto, e as horas intermináveis sentada pra alisar. Enfim, queria me encontrar. E aceitar do jeito que eu nasci, com os cabelos que eu nasci. Minha família nunca apoiou a minha idea de voltar ao natural. Porque diziam que ia ficar feio, que ia ser difícil de cuidar, q eu não ia ter paciência, bla bla bla… E eu aceitei.

Quando me mudei (de casa, cidade e país) o bicho pegou, porque eu sabia que aqui não ia encontrar ninguém que soubesse alisar meus cabelos. Poderia até encontrar, mas iriam me cobrar uma fortuna e teria o risco de acabar com meu cabelo pela mudança de produtos e técnica usada. E como eu já não tava mais afim de alisar, foi “juntar a fome com a vontade de comer”, como diz minha mãezinha. Ahahah!!

Desde que me mudei já comecei a me informar sobre como cuidar dos cabelos cacheados, ver fotos de como ficaria durante o processo de transição (entre a química e o natural), e tudo mais. Quando a raiz já estava muito evidente, depois de 7 meses mais ou menos, e eu não conseguia mais disfarçar a diferença de textura do fio, me emputeci resolví cortar o mal pela raiz. Ou melhor, deixar só a raiz! =)

Novembro 2012 - Tcharaaaam!

Eu nem me lembrava mais como era o meu cabelo natural, e por mais que num primeiro momento a mudança tenha sido muuuito grande, eu me senti tão bem, me senti livre, me senti eu mesma.

A partir daí, meus cachos começaram a ressurgir, eu me sentia mais linda e poderosa a cada dia, e não me arrependi nenhuma única vez de ter abandonado o alisamento. Me reencontrei comigo mesma.

Depois de quase 9 meses do meu big chop meus cabelos continuam crescendo, enrolando e eu amando do jeitinho que ele é, com todo o volume, embarasso, nózinhos e frizz.

Eu aprendi a cuidar do meu cabelo, a domar e a respeitar ele.Hoje minhas madeixas não vivem presas num elástico, pelo contrário, eu vivo balançando a cabeça pra cá e pra lá. E deixa eu te contar oh, recebo altos xavecos por causa dos cachos, viu! (Que o marido não leia) Ahaha!

P1030535

Junho 2013 – In love with my curls

Se eu já tô me sentindo agora, imagina quando crescer até onde eu quero… =*

quinta-feira, 25 de julho de 2013

ACABOOOOU!!!

 

Finalmenteeee minha provas acabaram!!!!!!!!!  \o/\o/\o/  Não poderia ter sido melhor: nota máxima e com louvor!

Sem querer ser egocentrica, mas já sendo, tô muito orgulhosa de mim mesma, e muuuito agradecida a quem me ajudou, principalmente meu marido lindo e paciente.  Não sei como seria se ele não fosse do jeitinho que é.

Cheguei em casa e me joguei no sofá, senti como se tivesse perdido 200kg.

Finalmente posso relaxar minha cabeça, e corpo tbm claro! =)

Um beijo e obrigada pra quem torceu e me mandou boas energias!!

Dancinha da vitória…

HELLO FÉRIAAAAAAS!!! \o/

terça-feira, 23 de julho de 2013

1-2-3 respira…

O mimimi das provas continua… Meu ultimo exame serà na quinta feira (25), depois dessa, sò em Setembro.

Foram dois meses de muita ansia, muito nervosismo, muito estresse, choro. E oh, vou te falar meu marido é um santo! Porque nem eu me aguento mais, e ele continua firme e forte me consolando, aturando e tentando me acalmar. Ahaha!

Eu to um caco. Nao durmo direito, nao descanso, to sempre preocupada e ansiosa, porque falta isso e aquilo outro. Nao  é o cansaço de estar fazendo muita coisa, è um cansaço mental, de nao conseguir parar de pensar, sabe? Nao é divertido.  =/

Essa rodada de provas foi, e ainda està sendo, muito difìcil pra mim. Fez eu me sentir frustrada alguma vezes, me fez pensar vàrias vezes se fiz o certo entrando na universidade poucos meses depois de me mudar pra Itàlia. Atè porque né, na atual situaçao economica do paìs, ter ou nao ter um diploma nao te ajuda a encontrar um emprego, porque eles simplesmente nao existem. Marido sempre tem alguma coisa fofa pra me dizer e me alegrar.

As vezes sinto como se vou começar a chorar do nada, outras vezes sinto como se tivesse que gritar. E’ muito estranho. Acho que esse negòcio tà começando a me influenciar demais.

Mas no total, acho que o saldo tà sendo positivo. To crescendo com as frustraçoes, apesar de continuar a ser perfeccionista, to começando a me importar menos se as coisas nao vao exatamente como eu queria. Afinal, poderia ser pior. Alèm do mais to muito metida orgulhosa de mim mesma, porque to conseguindo levar pra frente meus estudos num outro paìs de uma forma, digamos, bastante positiva. Coisa que eu nunca pensei que seria capaz de fazer.

Depois que acabarem, eu tenho que limpar minha casa de ponta a ponta, porque, coitada, eu a abandonei nessas semanas de prova. E mais um ponto pro marido que nao me encheu o saco!!  \o/

Ps: Faz um forcinha e me manda boas energias pra essa ultima provinha, pleeeeeease! =)

quinta-feira, 11 de julho de 2013

The new entry!

Oi gente!

Minhas provas ainda não terminaram, faltam duas, e eu nâo aguento mais!!!! Mas já que falta pouco, acho que já posso voltar pro blog.  :)
Tenho muuuuita coisa pra contar, mas hoje eu vim dar continuidade no assunto sobre
aumentar ou não a famílinha!

Então, chegou a hora de apresentar formalmente a new entry na casa A.!!! Essa é a nossa caçula, “irmãzinha” do meu Ubik.

Oi, o meu nome é Nova!!! \o/

NovaSou linda, né!?

A Nova é uma gatinha muito especial. O nome foi inspirado no personagem de Linda Harrison, em Planeta dos Macacos. Nós a adotamos de uma ONG de resgata gatos em situação de risco, aqui na nossa região.
Segundo os voluntários dessa ONG, a Nova foi encontrada quase morta, só osso, sem pelos, e com muitos vermes. A coitadinha nem caminhava, e se não fosse resgatada com certeza morreria em uma semana. Ela nem sabia mais comer, tiveram que dar aquelas papinhas pra bebê, pra reacostumá-la com o gosto da comida. =/
Depois descobriram que ela tinha uma infecção de parasitas, o que fazia o pelo cair. Ela foi esterilizada, e depois de quase dois meses de tratamento, a ONG liberou ela a vir pra nossa casa.

Nova tem mais ou menos 10 meses de idade, mas parece ter só 5 de tão pequenininha que é, por culpa da vida que ela tinha antes, sem comer, sem tratamento, sem nada.

Logo que ela chegou, o nosso Ubik se mostrou todo disposto a fazer amizade, tanto que se rolava em frente a ela. Mas como ela ainda tava muito traumatizada, e assustada com a mudança, só ficava na dela, no fundo da gaiolinha ou então toda enroladinha miando de medo. =/

P1030467

E somado a isso, nós descobrimos que a Nova é uma gatinha com alergia crônica, o que faz ela se coçar até arrancar os pelos, nos períodos de crise. Ela precisa comer só ração monoproteica ou antialérgica pra sempre, o que não é a coi$a mai$ legal pra gente…

Foi muito difícil fazermos com que eles se tornassem amigos. Como ela era muito traumatizada, demorou até confiar na gente. Depois quando começou a confiar em mim e no marido, tinha o Ubik que a assustava. Ele, literalmente, caçava ela dentro de casa. Por quase um mês, nós ficávamos com as portas dos quartos trancadas. Uma hora com o Ubik dentro, outra hora com a Nova. Se eles se encontravam, era briga feia.
Compramos feromonios, snacks, e tudo mais, pra tentar fazer eles dois se encontraram sem fazer guerra, mas nada parecia dar jeito. Devagarinho começamos a dar a comida juntos, lado a lado, e nessa hora até que funcionava, mas era só um acabar de comer que recomeçavam a se matar de novo.



Até que um dia a gente perdeu a paciência, e resolveu deixar eles brigarem. Eles brigaram até cansar e pronto, acabou a guerra!! =D

A cada dia eles passavam mais e mais tempo sem os miados de ódio, e começaram a se tolerar. Foi lindo a primeira vez que conseguimos dormir sem trancar um num quarto e o outro no outro. Nos sentimos livres! E mais lindo ainda foi quando eles se deitaram juntos pela primeira vez!! Ahahah ♥

Ubik e NovaQue emoção!!!

Hoje, finalmente, depois de 1 mês eu posso dizer que meus “bebês” estão integrados. De vez em quando um corre atrás do outro, e a Nova faz aquele drama básico… Mas já percebi que ela é mais ciumenta e enchedora de saco, que o Ubik. Quando ele tá quieto, é ela que vai pertubar, aí ele se estressa, e ela começa a fazer o drama pra fujir dele. Porque ela não aguenta o jogo, visto que ele é muito maior. =P

P1030673Não te deixo dormir, não!!!

É isso, estamos felizes com nossos felinos!

.