Páginas

quarta-feira, 23 de março de 2011

Criança não é lixo!

Obs: Atenção! Esse é um assunto polêmico. Aqui eu escrevo somente a MINHA opinião, mas estou disposta e curiosa para saber o que você pensa nos comentários.

Eu não sou mãe, nunca estive grávida e nem ao menos madrinha eu nunca fui, mas baseada nos casos que vi na minha família e com colegas acredito que o momento da gravidez tanto para os parentes próximos quanto para os próprios pais é único, e tudo muda. Talvez por conta dos diferentes e novos sentimentos que a mulher, em especial, sente durante essa fase, e experimenta um amor por um ser que ainda nem conhece.

A preparação e espera por um novo membro na família, uma criaturinha que preciso de cuidados e muito amor, que depende totalmente da mãe para se desenvolver, nascer e, por algum tempo, sobreviver fora do útero.

Mas hoje, eu li novamente a notícia de um bebê recém-nascido que foi abandonado pela “mãe” em um saco plástico no meio de um matagal, no meu estado. Sinceramente, não sei o que pensar, por que pela minha cabeça passam inúmeros sentimentos que vão de muita, muita raiva à pena da criança indefesa.

Todos nós sabemos que há casos e casos, e que nem sempre a chegada de um bebê é planejada e que muitas vezes a própria mãe do bebê ainda é uma criança. Mas EU acredito que isso não seja um motivo para esconder uma gravidez e abandonar uma criança que acabou de nascer como se fosse um saco de lixo esperando pra ser recolhido.

Não quer ou não pode criar o bebê? Ok, porque essa tal de “mãe” não o deu para adoção? Tantas pessoas com tanto amor guardado e esperando por uma criança com quem possam compartilhar.

Segundo o ultimo estudo do Instituto DATASUS (de 2007), ligado ao Sistema Único de Saúde brasileiro, o índice de adolescentes grávidas no Brasil chega a 20%, considerado ainda alto. Então o quê que tá faltando? Mais educação? Informação? Ou falta de vergonha na cara pra assumir seus próprios atos e arcar com as consequências?!

Durante minha adolescência eu tive muitas colegas que ficaram grávidas, não por descuido ou porque não sabiam o que estavam fazendo, porque todas elas sabiam, e muito bem… ficaram prenhas porque não foram responsáveis o suficiente. E foi difícil pra elas, foi sim e ainda é. Com a família, com as pessoas na rua, com os sonhos de futuro e todo o blá blá blá. Mas elas aceitaram, com ou sem apoio de namorado, e enfrentaram.

Graças à intervenção divina, forças do destino, ou como você preferir, esse bebê abandonado foi encontrado, levado ao hospital e passa bem. Assim, como no caso do Milagre de Natal, também acontecido no Pará.

A minha mãe, sempre disse que mãe é aquela que cria, não a que dá luz. Totalmente concordo, e hoje eu também penso que mãe é aquela pessoa que se importa com o bem da criança. Não é toa que desde sempre nós vemos os pai-mãe, vó-mãe, tia-mãe, e EU tenho uma prima-mãe.

Mas eu realmente me pergunto, essa mulher que abandonou o bebê no saco, como se fosse um lixo pode ser considerada mãe?

.

5 comentários:

  1. Assunto polemico mesmo. Eu acho humanamente cruel fazer isso com uma crianca,com um animal, ou com qualquer ser vivo indefeso e incapaz, isso incluindo maus tratos a idosos e a pessoas com deficiencia fisica.

    Mas infelizmente essas coisas acontecem, e acontecem muito mais do que podemos imaginar. Prevencao e a solucao, mas sem consciencia e responsabilidade nao ha prevencao; e como consciencia e que nem koe, cada um tem a sua, fica dificil de responsabilizar somente o sistema.
    O sistema e falho sim, mas algumas pessoas sao muito irresponsaveis, independentemente do sistema.
    Se aqui na Holanda aborto fosse proibido, nao duvido nada que haveriam casos assim.

    ResponderExcluir
  2. Fato, infelizmente esses monstros existem. Assunto polêmico, complexo e cansativo, pois a raíz do mal está na forma como o país é administrado, assunto que vem sendo debatido cansativamente. Tivemos um péssimo governo, onde nada mudou ou melhorou. A mudança está na cabeça de quem cria em forma de lavagem cerébral e na mídia(usada para fazer a lavagem) bancada com o dinheiro do cidadão, infelizmente a nova presidente já disse que a educação está muito boa do jeito que está. Quanto ao ser mãe é quem cria, discordo em partes, imagina se vc tem seu filho roubado e ele é criado pela ladrona, quem vai ser a mãe? vc ou ela?

    ResponderExcluir
  3. Manu,
    Eu vou mais longe, pode ela ser considerada "gente", mesmo antes de ser "mãe"? Porque assim, imagina um ser que encontra um recem nascido por exemplo, por ai. Sem nem gerar por 9 meses, nem parir. Essa pessoa teria coragem de jogar o bebe no lixo? Não, né. Qquer pessoa "gente" teria recolhido essa criança e deixado no mínimo na porta de um hospital, uma casa, qualquer coisa. Jogar fora não é coisa de gente. Aliás nem de bicho. Pra ser considerda mãe essa aí teria que primeiro virar gente.
    Um beijo,
    N.

    ResponderExcluir
  4. Rydi, muito boa a tua colocação, sobre ser mãe é quem cria. Eu me atentei somente em falar sobre a crueldade de abandonar uma criança no lixo. E nesse caso, realmente acredito que a mãe será quem criará ou cuidará do bebê. Mas como eu disse no início do texto, nós sabemos que há casos e casos, cada com sua particularidade, apesar de pra mim, não existe uma justificativa para abandonar um bebê dessa forma.

    Line, concordo com cntg. É falta de caráter mesmo, e não somente culpa do governo, apesar de ele ter uma participação na maneira como as pessoas se desenvolve dentro do país.

    Ótima questionamento, Ni. Será que é "gente" um indivíduo desses??

    Beijo em vc`s! :)

    ResponderExcluir
  5. OI Manu,
    Nossa que crueldade !!!!
    Sinceramente não sei onde está o lado humano dessa pessoa.
    Bom, ela poderia ter entrado em contato com alguma assistente social da cidade, antes do nascimento da criança e deixa-la disponível na lista para pais adotivos, tantas pessoas que gostariam de ter um filho e não podem.
    E eu concordo, mãe é quem cria, dá amor, carinho, suporte pra vida.bjuss

    ResponderExcluir

Vou adorar ler o seu comentário aqui!

Obrigada. =)